terça-feira, 16 de abril de 2019

"O mau exemplo de Cameron Post" potencializa a discussão sobre o polêmico tema da cura gay



Se no começo deste ano o espectador não pode conferir nos cinemas a estreia do filme "Boy erased: Uma verdade anulada" (2018), do diretor Joel Edgerton, que tinha como tema a polêmica da 'cura gay'. Por sorte, o mesmo destino não foi dado para o longa-metragem que estreia nesta quinta-feira (18) nas telonas, "O mau exemplo de Cameron Post" (2018) cuja narrativa aborda a mesma questão. Dirigido pela diretora Desiree Akhavan (Uma boa menina) e ganhador do Grande Prêmio do Júri no Festival de Sundance, o filme baseado no livro homônimo de Emily M. Danforth, destaca a jornada da adolescente Cameron (Chloë Grace Moretz), quando é pega beijando outra menina no baile de formatura.

Morando com a tia desde a morte dos pais, Cameron é encaminhada para um centro religioso de 'cura gay'. No local, a jovem ainda incerta sobre sua identidade, depara-se com outros adolescentes vivendo dilemas semelhantes aos seus e obrigados a submeterem-se a uma doutrina rigorosa e métodos um tanto quanto suspeitos para 'supostamente' tornarem-se heterossexuais. Nesse mesmo ambiente, Cameron conhece “Jane Fonda” (Sasha Lane) e Adam (Forrest Goodluck), ambos sujeitos à mesma realidade, mas que lutam para manterem suas identidades e suas opões sexuais. Juntos, os três descobrirão o laço afetivo da amizade e o valor de buscarem a liberdade de serem o que quiserem. 

A construção do roteiro preza por uma abordagem profunda e delicada sobre as descobertas da sexualidade na adolescência, ao mesmo tempo que mostra os dispositivos de cunho religioso utilizados para bloquearem os desejos desde jovens. Desejos estes, que não condizem com o 'aceitável' pela sociedade da época - década de 1990 -, ou seja, sentir atração pelo mesmo sexo é ainda considerado pecado. 

Ao longo de toda narrativa observa-se a violência psicológica ao quais os jovens são forçados a presenciarem na tentativa de desconstruirem suas orientações sexuais, reverberando o doloroso processo de obrigar uma pessoa a ser o que ela não é. Isso é evidente em duas falas emblemáticas da protagonista, em situações diferentes: "Estou cansada de sentir nojo de mim" ou "Como se pode confiar nessas pessoas que fazem você odiar a si mesmo". 

Chloë Grace Moretz, enquadrada com vários close up no filme, está em estado de graça como Cameron, sua performance mescla o apetite sexual, a insegurança, a solidão e a brutalidade emocional de um modo hipnotizante e carismático. A cena com ela na cozinha descascando batatas ao lado dos outros companheiros e, ao ouvir a canção "What's up", de 4 Non Blondes, a personagem sobe na mesa e canta, é de puro encantamento e libertário. Também vale destacar os personagens de Sasha Lane e Forrest Goodluck pois trazem um outro olhar sobre a mesma problemática, a primeira de origem negra e o segundo indígena, enriquecendo ainda mais a provocação da narrativa. 

"O mau exemplo de Cameron Post", é um filme necessário e urgente para despertar inúmeras reflexões sobre a interferência dos pais na sexualidade de seus filhos, quando estes não correspondem às suas aspirações e, principalmente, em debater as imposições da sociedade de querer fazer valer apenas uma única forma de viver a vida, excluindo outras culturas, raças, gêneros e orientações sexuais.  
CineBliss*****
#Filme visto na 42a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 
 


Ficha técnica: 

O mau exemplo de Cameron Post (The miseducation of Cameron Post)
Estados Unidos, 2018
Direção: Desiree Akhavan 
Roteiro: Cecilia Frugiuele, Desiree Akhavan, Emily M. Danforth
Produção: Alex Turtletaub, Cecilia Frugiuele, Jonathan Montepare, Michael B. Clark, Rob Cristiano
Fotografia: Ashley Connor
Montagem: Sara Shaw
Elenco: Chloë Grace Moretz, Jennifer Ehle, John Gallagher Jr., Sasha Lane, Forrest Goodluck

Nenhum comentário:

Postar um comentário