terça-feira, 26 de dezembro de 2017

CineBliss seleciona 10 títulos que destacaram a jornada da heroína em 2017


O ano de 2017 foi notório para o protagonismo feminino no cinema através de narrativas centradas em mulheres transgressoras e, que quebraram estereótipos na forma de serem representadas cinematográficas. As jornadas das heroínas que passaram pelas telas esse ano, não retrataram mocinhas frágeis, à espera para serem salvas por homens viris, pelo contrário, elas acionaram o sabre de luz e despertaram para serem protagonistas de suas próprias jornadas. 

Assim como personagens femininos estiveram em destaque no universo cinematográfico, diretoras também deram um avanço em busca de conquistarem um maior espaço nesse meio tão dominado pelos homens, teve-se a cineasta Sofia Coppola logrando à Palma de Ouro de Melhor Direção por "O estranho que nós amamos" e Patty Jenkins como a primeira mulher na direção de um filme de super-herói com "Mulher Maravilha". 

Vale destacar as denúncias fora do mundo da ilusão, que borbulharam Hollywood envolvendo homens de alto escalão da indústria do cinema. A hashtag #MeToo, nascida em outubro desse ano, expôs a dimensão do assédio sexual, envolvendo atrizes que relataram algum tipo de agressão sexual sofrida. O movimento ganhou força ao redor do mundo, permitindo que homens e mulheres vítimas de agressão sexual se pronunciassem em demonstração de solidariedade. 

Esse despertar para promover uma mudança no meio cinematográfico, possibilita um confronto com o sistema patriarcal e os privilégios destinados ao homens, assim como, uma luta por um olhar que vise a igualdade. 

Dessa forma, o blog CineBliss selecionou 10 títulos de 2017, que destacaram a jornada da mulher por meio de narrativas que contemplaram o universo feminino perante uma sociedade em que são constantemente comparadas e definidas por valores e padrões masculinos. Além de destacarem o protagonismo feminino, alguns filmes propuseram reflexões para uma sociedade mais igualitária por meio da complementariedade entre feminino e masculino e, não da dominação. Segue abaixo a lista:  

Como nossos pais (Como nossos pais)
Brasil, 2017
Direção: Laís Bodanzky
Roteiro: Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi
Elenco: Maria Ribeiro, Paulo Vilhena, Sophia Valverd, Clarisse Abujamra, Felipe Rocha, Jorge Mautner
Leia mais em: Como nossos pais



Mulheres Divinas (Die Göttliche Ordnung)
Suíça, 2017
Direção: Petra Biondina Volpe 
Roteiro: Petra Biondina Volpe 
Elenco: Marie Leuenberger, Marta Zoffoli, Rachel Braunschweig, Sibylle Brunner
Leia mais em: Mulheres Divinas



Mulher-Maravilha (Wonder Woman)
Estados Unidos, 2017
Direção: Patty Jenkins
Roteiro: Zack Snyder, Allan Heinberg, Jason Fuchs
Elenco: Gal Gabot, Chris Pine, Robin Wright, Connie Nielsen, David Trewlis, Danny Huston, Elena Anaya, Lucy Davis 
Leia mais em: Mulher Maravilha


Thelma (Thelma)
Noruega, 2017
Direção: Joachim Trier 
Roteiro: Eskil Vogt, Joachim Trier
Elenco: Eili Harbor, Okay Kaya


Lady Macbeth (Lady Macbeth)
Reino Unido, 2016
Direção: William Oldroyd
Roteiro: Alice Birch, Nikolai Leskov
Elenco: Florence Pugh, Paul Hilton, Christopher Fairbank



O estranho que nós amamos (The Beguiled)
Estados Unidos, 2017
Direção: Sofia Coppola
Roteiro: Sofia Coppola, Thomas Cullinan
Elenco: Nicole Kidman,  Kirsten Dunst, Colin Farrell, Elle Fanning
Leia mais em: O estranho que nós amamos 



Fatima (Fatima)
França, 2015
Direção: Philippe Faucon
Roteiro: Philippe Faucon
Elenco: Soria Zeroual, Zita Hanrot, Kenza-Noah



Mulheres do século XX (20th Century Women)
Estados Unidos, 2016
Direção: Mike Mills
Roteiro: Mike Mills
Elenco: Annette Bening, Elle Fanning, Greta Gerwing, Billy Crudup, Lucas Jade Zumann
Leia mais em: Mulheres do século XX



Estrelas além do tempo (Hidden Figures)
Estados Unidos, 2016
Direção: Theodore Melfi
Roteiro: Allison Schroeder, Margot Lee Shetterly, Theodore Melfi
Elenco: Octavia Spencer, Taraji P. Henson, Janelle Monáe, Kevin Costern, Kirsten Dunst, Jim Parsons, Mahershala Ali.
Leia mais em: Estrelas além do tempo 

 

Atômica (Atomic Blonde)
Alemanha, 2017
Direção: David Leitch 
Roteiro: Antony Johnston, Kurt Johnstad, Sam Hart
Elenco: Charlize Theron, James McAvoy 


sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

"Mulheres Divinas" esbanja simpatia ao retratar a busca das mulheres por igualdade de direitos


O ano é 1971, em uma vila suíça, que o filme "Mulheres Divinas", da diretora Petra Biondina Volpe  seleciona para retratar as condições de opressão das mulheres brancas, cujos efeitos dos movimentos feministas ao redor do mundo, não passam apenas de notícias de jornais. Selecionado pela Suíça para disputar uma vaga na corrida ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, a narrativa esbanja simpatia ao dosar de um modo equilibrado a seriedade da busca das mulheres por mudanças numa sociedade dominada pelos homens, com uma pitada de humor inteligente para denunciar o modelo de domínio e submissão.

Neste vilarejo, mora a dona de casa Nora (Marie Leuenberger) ao lado de seu marido Hans Grube (Maximilion Simoniscchek) e seus dois filhos. Como padrão da sociedade patriarcal, ela exerce suas funções apenas no espaço privado - cuida da casa, dos filhos, do marido, do sogro - e, só pode vir a trabalhar com a permissão do marido. Devido alguns acontecimentos em sua rotina relacionados à ausência de protagonismo feminino e voz ativa em sua família, Nora despertar para lutar pela liberação das mulheres e, consequentemente, pelo direito ao voto feminino, já que na Suíça o sufrágio universal ainda não era uma lei. Na jornada em busca de promover transformações à favor das personagens femininas, Nora enfrenta preconceitos não só dos homens que debocham de sua atitude, mas até mesmo, das mulheres da vila.

O roteiro construído de forma didático e primoroso, expõe as dificuldades enfrentadas por essas personagens que decidiram reivindicar por igualdade de direitos e, subverter a imagem da mulher ideal, ou seja, "bela, recatada e do lar", sem voz ativa ou sem desejo sexual. Em várias sequencias, são escancarados os clichês utilizados pela sociedade machista com intuito de oprimir as mulheres como o pai falando com o filho "na minha época as mulheres não se comportavam assim", de Hans com Nora "sorte que não tivemos filhas" ou "você não precisa trabalhar fora, o que eu ganho é suficiente para vivermos".

A questão da repressão da sexualidade feminina também é exposta no filme, tanto na busca das mulheres em adquirirem conhecimento sobre o próprio corpo e, assim, desejarem sentir orgasmo, quanto em mostrar que a transgressão da mulher não é bem-vinda na sociedade machista e por isso, merece ser repreendida, como no caso da sobrinha de Nora.

"Mulheres Divinas" contempla uma reflexão calorosa e intensa sobre como as mulheres foram tratadas como cidadãs de segunda classe por muito tempo, restringida, com raríssimas exceções, ao espaço privado. Todavia, o tom cômico utilizado no filme, permite que o discurso político seja transmitido de modo em angariar simpatizantes - tanto homens quanto mulheres - para uma sociedade igualitária e, não em dividi-los em hierarquias de dominante versus dominado.  
CineBliss




Ficha técnica: 

Mulheres Divinas (Die Göttliche Ordnung)
Suíça, 2017
Direção: Petra Biondina Volpe 
Roteiro: Petra Biondina Volpe 
Produção: Lukas Hobi, Reto Schaerli 
Elenco: Marie Leuenberger, Marta Zoffoli, Rachel Braunschweig, Sibylle Brunner

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

"Em busca de Fellini" contempla uma carta de amor à Itália



O diretor italiano Federico Fellini (1920-1993), é o grande homenageado do filme "Em busca de Fellini" (2016), do diretor Taron Lexton. Nessa aventura de autoconhecimento e descobertas, retratada em 1993, tem-se a jovem americana Lucy (Ksenia Solo) morando com a mãe super protetora Claire (Maria Bello), em Cleveland, Estados Unidos, quando entra em contato pela primeira vez com as obras cinematográficas do cineasta italiano. Com seus 20 anos, sem nunca ter trabalhado ou feito uma faculdade, Lucy decidi embarcar para Itália, para conhecer o responsável pelas obras tão mágicas e humanas vistas na tela de cinema.

Com uma fotografia de luz intensa e tonalidades quentes - propositalmente para realçar as belezas turísticas italianas -, Lucy depara-se no país com diversos personagens bizarros, que fizeram parte do repertório de Fellini. As referências passam por Cabíria de "Noites de Cabíria" (1957), Guido de "A doce vida" (1960) e, Gelsomina de "A estrada da vida" (1954). A última, ganha destaque por caracterizar a própria Lucy, que assim como Gelsomina, tem uma índole ingênua e caminha pela estrada da vida com olhares cabisbaixos. 

O conceito do filme é criativo e envolvente, no entanto, a forma como é conduzida a narrativa deixa um pouco a desejar, visto que, o romantismo hollywoodiano acaba sobressaindo a reflexão sobre a decadência burguesa ou a crônica contra a miserabilidade, tão recorrentes nos filmes de Fellini. O universo felliniesco com imagens alucinógenas invadindo uma situação comum e colocando Lucy em situações bizarras, se faz presente no filme, mas sem a carga emocional de desilusão ou de esperança.  

Assistir "Em busca de Fellini" é adentrar num mundo de fantasia que na verdade, não te conduz para uma reflexão séria sobre o cotidiano de indivíduos frágeis perante uma sociedade cruel, como muitas vezes visto nos filmes de Fellini, e, sim, num passeio turístico por algumas cidades italianas  que foram retratadas nas histórias do mestre italiano. Para os apaixonados pelas obras de Federico Fellini, fica uma sensação amarga de ausência de algo, talvez uma pitadinha de desfiles circenses informais, pudessem ter expressado um pouquinho desse algo a mais. 
CineBlis



Ficha técnica: 

Em busca de Fellini (In search of Fellini)
Estados Unidos, 2017
Direção: Taron Lexton 
Roteiro: Nancy Cartwright, Peter Kjenaas
Produção:  Michael Doven, Milena Ferreira, Monica Gil, Nathan Lorch, Peter Kjenaas, Taron Lexton
Fotografia: Kevin Garrison
Elenco: Ksenia Solo, Mary Lynn Rajskub, Maria Bello

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

CineBliss divulga a lista com os 15 melhores filmes de 2017


Com 2017 prestes a dar adeus, não tem como se despedir sem antes fazer aquela retrospectiva do que rolou de melhor no mundo da sétima arte. Teve lançamentos de blockbusters tão aguardados pelos fãs de quadrinhos como a jornada da heroína da DC "Mulher Maravilha", batendo recordes de bilheteria. O musical romântico "La la land - Cantando estações", que dividiu opiniões e abalou as estruturas da entrega do Oscar de Melhor Filme, quando anunciado equivocadamente como ganhador. E o deleite visual e sonoro da Segunda Guerra Mundial nas mãos do diretor Christopher Nolan com "Dunkirk". O ano cinematográfico contemplou histórias para todos os gostos e, com certeza emocionou até mesmo os corações mais durões.

Como de costume, o blog CineBliss organizou uma listinha com os quinze melhores títulos de 2017, durante o período de 01 de dezembro de 2016 a 30 de novembro de 2017. Lembrando que a seleção foi feita de modo subjetivo e baseada nos 110 filmes vistos. Segue abaixo a seleção:


Dunkirk (Dunkirk) 
Estados Unidos, 2017
Direção: Christopher Nolan
Roteiro: Christopher Nolan
Elenco: Mark Rylance, Tom Hardy, Kenneth Branagh, Cillian Murphy



Moonlight - Sob a luz do luar (Moonlight)
Estados Unidos, 2016
Direção: Barry Jenkins,
Roteiro: Barry Jenkins, Tarell McCraney
Elenco: Mahershala Ali, Janelle Monáe, Alex R. Hibbert, Andre Holland, Ashton Sanders, Trevante Rhodes, Tharrel Jerome



Mulher-Maravilha (Wonder Woman)
Estados Unidos, 2017
Direção: Patty Jenkins
Roteiro: Allan Heinberg, Flor Ferraco
Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Robin Wright, Connie Nielsen
Leia mais em: Mulher-Maravilha



O apartamento (Forushande)
Irã, 2016
Direção: Asghar Farhadi
Roteiro: Asghar Farhadi
Elenco: Shahab Hosseini, Taraneh Alidoosti



La la land - Cantando estações (La la land)
Estados Unidos, 2016
Direção: Damien Chazelle
Roteiro: Damien Chazelle
Elenco: Ryan Gosling, Emma Stone, J.K. Simmons,
Leia mais em: La la land - Cantando Estações



Corra! (Get out)
Estados Unidos, 2017
Direção: Jordan Peele
Roteiro: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, Catherine Keener, Bradley Whitford, LiRel Howery
Leia mais em: Corra!  



Como nossos pais (Como nossos pais)
Brasil, 2017
Direção: Laís Bodanzky
Roteiro: Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi
Elenco: Maria Ribeiro, Paulo Vilhena, Clarisse Abujamra, Felipe Rocha, Jorge Mautner
Leia mais em: Como nossos pais



Logan (Logan)
Estados Unidos, 2017
Direção: James Mangold
Roteiro: David James Kelly
Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Boyd Holbrook, Dafne Keen, Stephen Merchant



Toni Erdmann (Toni Erdmann)
Alemanha, 2016
Direção: Maren Ade
Roteiro: Maren Ade
Elenco: Peter Simonischek, Sandra Huller
Leia mais em: Toni Erdmann



O estranho que nós amamos (The Beguiled)
Estados Unidos, 2017
Direção: Sofia Coppola
Roteiro: Sofia Coppola, Thomas Cullinan
Elenco: Nicole Kidman, Kirsten Dunst, Colin Farrell, Elle Fanning, Oona Laurence, Angourie Rice
Leia mais em: O estranho que nós amamos 



Detroit em rebelião (Detroit)
Estados Unidos, 2017
Direção: Kathryn Bigelow
Roteiro: Mark Boal
Elenco: John Boyega, Anthony Mackie, Will Poulter



Okja (Okja)
Estados Unidos/ Coreia do Sul, 2017
Direção: Bong Joon ho
Roteiro: Bong Joon ho, Jon Ronson
Elenco: Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Ahn Seo-Hyun, Paul Dano
Leia mais em: Okja



Lady Macbeth (Lady Macbeth)
Reino Unido, 2016
Direção: William Oldroyd
Roteiro: Alice Birch, Nikolai Leskov
Elenco: Florence Pugh, Paul Hilton, Christopher Fairbank

 


Terra Selvagem (Wind River)
Canadá, 2017
Direção: Taylor Sheridan
Roteiro: Taylor Sheridan
Elenco: Jeremy Renner,, Elizabeth Olsen
Leia mais em: Terra Selvagem



Thelma (Thelma)
Noruega, 2017
Direção: Joachim Trier 
Roteiro: Eskil Vogt, Joachim Trier
Elenco: Eili Harbor, Okay Kaya