sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Darth Vader o vilão mais amado do cinema


"May the Force be with you"

Em meio aos burburinhos sobre as primeiras imagens lançadas hoje do novo filme da saga Star Wars: Episódio VII - O despertar da Força com direção de J.J. Abrams e lançamento previsto para dezembro de 2015, pensei sobre meu primeiro contato com a história intergalática criada pelo diretor George Lucas.

Esse contato foi um pouco tardio em 2006, mas a forma como atingiu meu imaginário foi surpreendente o que me levou a ser como muitos outros, uma fã de todos elementos e personagens que compõem esse grande clássico do cinema. Me lembro como se fosse ontem, quando na Universidade minha grande amiga Patrícia soube que eu nunca havia assistido Star Wars, naquela época ela me fez prometer que assistiria aos seis episódios de uma só vez, mas teria que vê-los de acordo com o lançamento, ou seja, IV, V, VI, I, II, III. Passei um feriado torcendo por Luke Skywalker (Mark Hamill), princesa Leia (Carrie Fischer), Hans Solo (Harrison Ford), Chewbacca (Peter Mayhew), R2D2, CP3O, Obi-Wan Kenobi (Alec Guiness/Ewan McGregor) e Yoda, contudo ao terminar de assistir percebi uma simpatia pelo grande vilão Darth Vader, acredito que a maioria dos admiradores dessa saga também sentiram e sentem até hoje, pois ele continua sendo adorado por uma legião de fãs em todo mundo.

Por acaso do destino esses dias revi os filmes novamente em um canal pago que não me lembro qual, a forma de interpretar cada personagem foi bem diferente da primeira vez, o motivo foi ter agora o conhecimento da jornada do herói de Joseph Campbell e dos arquétipos de Carl G. Jung utilizados no filme, o que para muitos são elementos cruciais para o sucesso cinematográfico além claro dos efeitos especiais.

A jornada do herói aos olhos do jovem Luke Skywalker traz todos os estágios descritos por Campbell: mundo comum, o chamado a aventura, o encontro com o mentor Obi-Wan Kenobi e aliados como Hans Solo, a travessia do primeiro linear, aproximação da caverna oculta, provação, recompensa, caminho de volta, ressurreição e o retorno com o elixir. Não foi por acaso que George Lucas trabalhou com Joseph Campbell, um especialista em mitos básicos da humanidade, para elaborar um roteiro que deve-se às histórias mais antigas do universo. 

Mas como toda história com seu herói não pode faltar um vilão capaz de confrontar o personagem salvador para que esse venha se fortalecer em sua jornada, no caso de Star Wars o arquétipo da Sombra foi tão bem construído que se tornou em um dos vilões mais adorados do cinema, Lord Darth Vader. Em qualquer história a função do arquétipo da Sombra é desafiar o herói para que ele venha a ter um oponente à altura em sua luta, para o escritor Christopher Vogler: "as Sombras criam conflitos e trazem à tona o que o herói tem de melhor, ao colocá-lo numa situação que ameaça sua vida".

A criação desse anti-herói já começa através de sua vestimenta totalmente negra, sugerindo aspectos negativos do herói não trabalhados, ou seja, o lado negro da Força que Luke reluta em não querer participar mesmo depois sabendo que seu pai é na verdade o vilão, Darth Vader. Para Joseph Campbell Darth Vader representa: "... quando a consciência assume o controle o que surge é esse Darth Vader, o homem que passou para o lado intelectual. Ele não está pensando nem vivendo  em termos humanos, está vivendo em termos de um sistema. E é essa ameaça à nossa vida que todos nós encaramos. Todos nós agimos na nossa sociedade em relação a um sistema. Será que o sistema vai devorá-lo e tirar de você sua natureza humana ou você vai conseguir usar o sistema para realizar objetivos humanos"?

Esses objetivos humanos é representado por Luke Skywalker quando decidi não fazer parte do lado negro da Força, mas sim lutar contra e tentar buscar a bondade em seu pai, tanto que quando Darth Vader é derrotado e prestes a morrer, as sementes da bondade se despertam ao ponto de procurar o perdão e a reconciliação com seu filho. O drama de George Lucas com seus seis filmes é todo a respeito da ascensão, queda e redenção de Anakin Skywalker/ Darth Vader.

Star Wars é um mito no cinema porque utilizou de uma linguagem comum da cultura pop, com metáforas e símbolos para exprimir como os seres humanos se sentem em relação ao bem e ao mal, à tecnologia e a fé.

Se existe ainda alguém que não tenha visto a saga intergalática, por favor, vá logo assistir antes da estreia do novo episódio e se tornar mais um fã desse clássico do cinema que até hoje conquista o público, seja pelos efeitos especiais, pelo romance de Hans Solo e a princesa Leia ou simplesmente pela autêntica jornada do herói. 
CineBlissEK


Confira o teaser do novo Star Wars: Episódio VII - O despertar da Força:



Para aqueles que se esqueceram um pouco sobre a saga, segue uma síntese bem legal do filme: 



Uma das cenas mais marcantes não só do filme, mas também do cinema, quando Anakin Skywalker coloca a máscara de Darth Vader e dá a primeira respiração, para mim é de arrepiar. Confira:



A utilização do personagem Darth Vader no mercado publicitário, uma demonstração de como ele se tornou o anti-herói mais pop da galáxia:


Ficha Técnica:

Star Wars: Episódio IV - Uma nova esperança (1977)
Direção: George Lucas

Star Wars: Episódio V - O império contra-ataca (1980)
Direção: Irvin Kershner

Star Wars: Episódio IV - O retorno do Jedi (1983)
Direção: Richard Marquand

Star Wars: Episódio I - A ameaça fantasma (1999)
Direção: George Lucas

Star Wars: Episódio II - O ataque dos clones (2002)
Direção: George Lucas

Star Wars: Episódio III - A vingança dos Sith (2005)
Direção:  George Lucas

Star Wars: Episódio VII - O despertar da Força (2015)
Direção: J.J. Abrams 

Bibliografia: 

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces
CAMPBELL, Joseph. O poder do mito
EBERT, Robert. A magia do cinema
VOGLER, Christopher. A jornada do escritor

Nenhum comentário:

Postar um comentário