terça-feira, 5 de junho de 2018

"Tully" disseca a maternidade sob uma ótica humanizada e sem glamour


Jason Reitman e Diablo Cody, depois de trabalharem juntos em dois filmes "Jovens Adultos" (2011) e "Juno" (2007), respectivamente como diretor e roteirista, trazem agora para as telas de cinema um outro olhar sobre a questão da responsabilidade com o longa-metragem "Tully" (2018). Estrelado pela atriz ganhadora do Oscar Charlize Theron, como Marlo, uma mãe de três filhos, a trama centrada no espaço privado - a casa familiar - expõe sem nenhum tipo de glamour o universo da maternidade por meio do esfacelamento das aparências e o mergulho na realidade de forma cru.

Se em "Jovens Adultos" a personagem principal Mavis Gary - também interpretada Charlize - se recusa a encarar o rito de passagem para vida adulta e, em "Juno", a adolescente Juno MacGuff (Ellen Page) opta por colocar o bebê para adoção esquivando-se de ser mãe prematuramente, em "Tully" a conversa é outra. A maternidade sob a ótica de Marlo é cercada de responsabilidades, múltiplas tarefas diárias e uma completa exaustão. Não é à toa que estas circunstâncias conduzam a personagem ao diagnóstico de depressão pós-parto.

O papel da figura paterna é deixado para o segundo plano, já que o marido Drew (Ron Livingston) passa o dia todo trabalhando e à noite antes de dormir joga videogame. Para tentar contornar a situação, o irmão de Marlo, Graig (Mark Duplass) decide presenteá-la com a babá Tully (Mackenzie Davis), para cuidar das crianças no período noturno. Um pouco hesitante com a ideia, Marlo aceita o presente e logo observa o quão transformador essa ajuda tem em sua vida, uma vez que a jovem é a fada madrinha para qualquer mãe, cuida do bebê, limpa a casa, cozinha cupcakes e ainda dá conselhos.

A atriz Charlize Theron além de sua mudança física, cujos tabloides dizem ter engordado mais de vinte quilos para viver a personagem, apresenta uma performance primorosa quando flerta no divisor de águas entre a aceitação de suas obrigações e a explosão de emoções perante o mundo caótico em que se encontra. 

O filme apresenta uma radiografia do atarefado universo feminino, cuja mulher não abre mão de nenhuma esfera de responsabilidade para passar a outra, ao contrário, ela acumula papéis e esse é o estopim para personagem Marlo e para outras tantas mães. Discutir o tema da depressão pós-parto, não é algo visto com muita frequência no cinema e, a forma como "Tully" retrata esse assunto com empatia e delicadeza, serve de recado para sociedade em buscar meios para debater e acolher os diversos tópicos sobre a maternidade. Uma trama necessária não somente para as mulheres, mas principalmente, para os homens.
CineBliss



Ficha técnica: 

Tully (Tully) 
Estados Unidos, 2018
Direção: Jason Reitman
Roteiro: Diablo Cody
Produção: Aaron L. Gilbert, Beth Komo, Diablo Cody, Jason Reitman, Ron McLeod, A.J. Dix, Charlize Theron, Helen Estabrook, Mason Novick
Elenco: Charlize Theron, Mackenzie Davis, Ron Livingston, Mark Duplass

Nenhum comentário:

Postar um comentário