segunda-feira, 16 de maio de 2016

"Mesmo se nada der certo" dialoga com términos e recomeços nutrido por uma trilha sonora de encantar os corações


Quando um filme tem como indicação comédia romântica logo suscita o pré julgamento de saber o final da narrativa com o casal vivendo felizes para sempre, o tal do happy end. No entanto, a beleza das obras cinematográficas está justamente no fato de surpreender o espectador, esse flagrante ocorreu ao assistir "Mesmo se nada der certo" recentemente no Netflix. O filme de 2014 dirigido pelo irlandês John Carney (Apenas uma vez), apresenta através da jornada de Gretta (Keira Knightley) e Dan (Mark Ruffalo) um encontro do acaso sem flertar com o açucarado dos romances, mas sim com os términos e recomeços da vida tanto do lado amoroso quando profissional.

Em um bar qualquer de Nova Iorque encontra-se Gretta, uma compositora que assiste a performance de seu amigo Steve (James Corden), este a convida para cantar, com seu jeito tímido e reservado acaba cedendo aos apelos. Sua apresentação desperta em Dan, presente na plateia, um encanto e anseio de produzir um álbum com a jovem desconhecida. O curioso dessa cena é a montagem composta em duas versões para ilustrar o dia complicado de cada personagem antes do encontro, Gretta acabara o relacionamento de longa data com o namorado Dave (Adam Levine) também músico e agora famoso, e Dan um produtor musical arruinado que fora dispensado da empresa ao qual ajudara a criar.

A união de Gretta e Dan contempla a tarefa de gerar uma inusitada composição musical para com isso reverter a trajetória de suas vidas, Dan em reestruturar-se perante sua família e emprego, e Gretta em superar o fim do relacionamento. Para essa missão, eles decidem gravar as canções ao ar livre, em lugares nem sempre permitidos e com músicos amadores. As sequencias dessas imagens mescla clipes musicais e também uma narrativa de sentimentos não expressos pela jovem em relação ao ex-namorado. A trilha sonora exposta no decorrer do longa, contagia o público com letras melosas e sensíveis conectando diversos corações machucados.

O roteiro aparentemente trivial consegue superar expectativas, pois elucida uma sutil crítica ao universo musical, embala um ritmo harmonioso através da montagem, seduz com personagens simpáticos e com desfechos inesperados. A sensação após assistir o filme é de leveza e confiança de que mesmo se nada der certo há algum aprendizado para ser descoberto e transformado. Fica a sugestão para o espectador que está em busca de ausentar-se um pouco da realidade para um universo bacana conjuntamente com uma trilha sonora de encantar os ouvidos.
CineBlissEK  


Ficha Técnica: 

Mesmo se nada der certo (Begin again)
2014, Estados Unidos
Direção: John Carney
Roteiro: John Carney
Produção: Anthony Bregman, Judd Apatow
Fotografia: Yaron Orbach
Elenco: Keira Knightley, Mark Ruffalo, James Corden, Adam Levine, Catherine Keener

Nenhum comentário:

Postar um comentário