segunda-feira, 24 de agosto de 2015

"Samba" retrata o complicado tema da imigração através de uma perspectiva romântica


Atualmente tem-se visto nos noticiários várias reportagens sobre o conflito da imigração na Europa, milhares de pessoas vindas de países em situações de guerra ou de condições precárias de sobrevivência que veem nesses locais considerados de primeiro mundo uma chance de melhora de vida. Esse tema complicado e alvo de preconceitos é trabalhado no filme francês "Samba" de 2014 dos diretores Eric Toledano e Olivier Nakache (Intocáveis) através do imigrante senegalês Samba (Omar Sy) e suas dificuldades para ter um emprego decente na França.

Esse universo do submundo visto através do personagem Samba é retratado logo no início do filme com cenas de um casamento, contudo a câmera não foca nos noivos e sim na cozinha do buffet na tarefa mais renegada, os lavadores de prato. Nesse ofício desvalorizado, encontra-se Samba que faz esses tipos de trabalho sem reconhecimento apenas para sobreviver em terras francesas, sem perspectiva de enriquecimento. Assim como ele, o filme mostra no decorrer da história outros personagens cuja trajetória de vida é similar do herói senegalês. Contudo à procura por uma ocupação não é o lado mais sombrio desses imigrantes, mas a burocracia de possuir um visto de permissão de trabalho. 

A falta dessa autorização leva Samba à prisão para esperar o julgamento de seu processo, na cadeia ele conhece Alice (Charlotte Gainsbourg), uma mulher que faz serviço voluntário a uma ONG responsável por ajudar imigrantes em situações parecidas com a de Samba. De imediato percebe-se uma atração entre os dois com ares de timidez de ambas as partes, e também com o dilema de Alice de não se envolver com o cliente, algo proferido pela colega antes mesmo de adentrarem os portões do presídio.

Após a saída de Samba da cadeia com decreto de deixar a França, este opta por permanecer ilegal até conseguir provar sua permanência no país depois de 10 anos morando legalmente. Ele acaba vendo em Alice uma amiga para lhe ajudar em momentos difíceis. Os constantes encontros do casal, cria um elo de intimidade e respeito proporcionando momentos de confissões por parte de cada um. Em uma dessas ocasiões, Alice esclarece o motivo de estar afastada do emprego fazendo trabalho voluntário, e o porque de tomar diversos remédios.

A forma como o romance se desenrola acentua a questão do contraste entre os dois, Alice uma francesa branca, com cargo de chefia, imersa numa depressão. Já Samba, um senegalês negro, com trabalhos indignos carrega nos lábios um sorriso leve. Esse choque cultural não cria barreiras para que os dois possam refletir sobre suas vidas e muito menos julgamentos de suas jornadas. Para suavizar essa temática séria, há o amigo de Samba interpretado pelo ator Tahar Rahim que com sua suposta nacionalidade brasileira traz leveza e humor para as cenas.

O filme além de apresentar o tema da imigração na Europa com os problemas, conflitos e a incomunicabilidade aborda também a questão atual de pessoas bem-sucedidas profissionalmente focadas em promoções de ascensão no trabalho, que de uma hora para outra sofrem distúrbios mentais devido a pressão corporativa. Assuntos contemporâneos que a cada dia ganham maior visibilidade. 

"Samba" ao propor a discussão da imigração cita de uma maneira romântica, cômica e um tanto quanto superficial, pois não há um aprofundamento preciso sobre essa questão. No entanto, vale a pena para se entreter de uma forma leve com um tema tão pesado através de personagens simpáticos e uma ótima trilha sonora composta por canções brasileiras.
CineBlissEK



Ficha Técnica:

Samba (Samba)
2014, França
Direção: Eric Toledano, Olivier Nakache
Roteiro: Eric Toledano, Olivier Nakache
Produção: Laurent Zeitoun, Nicolas Duval-Adassovsky, Yann Zenou
Fotografia: Stéphane Fontaine
Elenco: Omar Sy, Charlotte Gainsbourg, Tahar Rahim, Izïa Higelin

Nenhum comentário:

Postar um comentário