sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

"Quando o dia chegar" sensibiliza e provoca reflexões sobre determinados métodos educacionais


Baseado em fatos reais, o novo filme do diretor dinamarquês, Jesper W. Nielsen (Através do espelho) "Quando o dia chegar" (2016), retrata a efervescência de Copenhague no final da década de 1960, com a jornada dos irmãos Erik (Albert Rubbeck Lindahardt) e Elmer (Harald Kaiser Hermann), 13 e 10 anos respectivamente, quando estão prestes a serem entregues ao orfanato Gudbjerg, por motivos de enfermidade da mãe.

Nessa instituição governamental, a dupla logo depara-se com a maneira rígida e violenta do diretor Heck (Lars Mikkelsen) de impor sua ordem. A forma como ele conduz o local cercado da presença masculina, não é questionado por nenhum membro. Pelo contrário, é seguido da mesma maneira perversa e brutal. Uma das únicas presença feminina no ambiente, é a professora Laerer (Sofie Grabol), que testemunha às atrocidades, porém sem mecanismos para socorrer esses meninos.

Erik e Elmer, são advertidos por alguns garotos para tornarem-se fantasmas, ou seja, não chamarem atenção de ninguém. Todavia, com a coragem do primeiro e a esperança do segundo, eles embarcam numa jornada de acreditar ser possível sair desse local. Em cada tentativa de fuga sem sucesso,  eles recebem punições ainda mais cruéis.

O longa, evoca de uma maneira sutil, o filme "Um sonho de liberdade" (1994), em que o personagem principal, Andy Dufresne (Tim Robbins), mesmo sofrendo diversas formas de violências, não deixa de perder a esperança de sair da prisão. Observa-se essa energia por parte dos irmãos, em particular Elmer, o mais inteligente e sonhador. O mesmo, anseia por ser astronauta, e através de sua imaginação criativa, faz referência a outra narrativa, "2001 - Uma odisseia no espaço" (1968).

Com um roteiro bem estruturado e preciso, o filme propõe uma forte discussão sobre o perfil de cidadão que se planeja educar para a vida em sociedade, quando a palavra de ordem vem através da brutalidade. No âmago de crianças carentes de amor, com olhares cabisbaixos de medo, o modo escolhido por Gudbjerg foi da violência física e psicológica.
CineBlissEK
*Visto durante a 40ª Mostra Internacional de Cinema São Paulo



Ficha técnica: 

Quando o dia chegar (Der Kommer en Dag)
2016, Dinamarca
Direção: Jesper W. Nielsen
Roteiro: Søren Sveistrup
Produção: Louise Vesth, Peter Aalbæk Jensen, Sisse Graum Jørgensen
Fotografia: Erik Zappon
Elenco: Sofie Grabol, Lars Mikkelsen, Albert Rubbeck Lindahardt, Harald Kaiser Hermann

Nenhum comentário:

Postar um comentário